Arquivos do Autor

Andreza Modesto

Andreza Modesto. Letras. Literatura. Curuçá/Castanhal - PA. 22 anos de corpo e a alma carregada de afluências que me inspiram: arte, linguagem, literatura, filmes, livros, músicas, pessoas e amor. Sou isso, sou aquilo, sou o que outrora fui, sou o vazio da parte que se despediu de mim, para chegar a outra e renovar o meu melhor. Dizer exatamente o que sou, não sei, mas percebo várias coisas que não sou. Não me procuro, nem me redefino, pois me encontro nos recantos escondidos, que caminham entre mim e o outro, entre nós e o universo.

Fraturas emocionais

Tem dias que me sinto um pesado ponteiro do relógio, como se me expulsassem deste plano terreno, sentindo ininterruptas rasgaduras internas de alguns traços de sensibilidade que há em mim. Por isso escrevo, para sangrar mais, para não sufocar e não levar a hemorragia interna como a causa […]

A despedida

A despedida sempre tem aquele gosto de quem vai, mas fica, fica algum sorriso, alguma lágrima, um “volte logo”, ou adeus. E tem muito mais, porque não pedimos para nos despedir, não quando queremos. Por isso que, na palavra despedida, tem esse prefixo ‘des’ em que expressa a […]

Cadernos Artesanais

Os cadernos artesanais estavam arquivados entre os assuntos que eu gostaria de falar, mas faltava-me incentivo e ele chegou através da mensagem de uma amiga, que impulsionou esse desejo. Sou grata a essas pessoas e a tudo o que elas me fazem sentir. Sou a pessoa que se […]

Entre canções e desejos

Ao leitor, pediria gentilmente que pusesse a música de Damien Rice – The blower’s Daugheter. É uma sugestão para acompanhar, fique à vontade.  https://www.youtube.com/watch?v=5YXVMCHG-Nk Se me perguntassem como foi o dia ou como estou, fugiria das respostas convencionais e diria que foi feito a trilha The blower’s daughter. […]

Sentimentos arrítmicos

          Não lembrava mais como era dormir tranquilamente, andava com dificuldade de fechar os olhos e vivenciar as agonias da noite passada. Uma sensação de saltar da cama, abrir a porta e, a cada passo dado, os batimentos cardíacos aumentavam junto ao desespero. Um […]