Arte

Na Canhota: linguagem de mão e tinta

Aos 30 anos, um designer encontrou para a sua ociosa mão esquerda uma função que só ela poderia cumprir — assim como cumpre a mão direita a tarefa de escrever.

Mas ao invés de palavras, a canhota ficou responsável por sustentar outro tipo de linguagem: a tinta. Em conjunto, trabalham ambas. A destra como pintora, a canhota como tela-viva.

Os primeiros quadros começaram tímidos, em preto e pele, experimentando. Mas também aos poucos ganharam confiança e mais cor. Mais vida. E de tanta vida e de tanta cor nasceu também a urgência de usar a arte para falar mais do que a arte.

Em imagens e vídeos publicados em seu Instagram Na_Canhota, a mão-tela sustenta o que a mão-pintora quer falar, à sua maneira, sobre sexualidade, identidade, violência e saúde mental.

E agora, além de falar, começou também a ouvir outras mãos, que contam outras histórias: de uma amiga lésbica, outra bissexual. E assim vão falando as mãos de marcas e cores que ficam.

Este designer que hoje tem 31 anos me recebeu em seu apartamento para pintar a minha mão, quando falamos um pouco sobre ser bi. Antes de mim, foi a vez de uma amiga. E depois haverá outras mãos. Reservado, pediu para mantermos sua identidade de lado, e deixar a canhota falar.

Categorias:Arte

Marcado como:, ,

2 respostas »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s