Literatura

Há metafísica bastante em envelhecer, argumenta Valter Hugo Mãe

Quando pensei em escrever a resenha de a máquina de fazer espanhóis, do escritor português Valter Hugo Mãe, pensei, oh, escreverei toda em letras minúsculas, assim como o autor fez no livro, será uma ideia tão genial. Até jogar o nome do livro no Google e perceber que absolutamente todas as pessoas que o resenharam tiveram a mesma ideia. Portanto, colocarei as maiúsculas em seus devidos lugares, com exceção das transcrições de passagens do livro, a fim de lhe respeitar a estética.

20170826_120447

Capa de “a máquina de fazer espanhóis”, da editora Cosac Naify, com ilustração de Lourenço Mutarelli

A máquina de fazer espanhóis conta a história de um sujeito de 84 anos, o sr. Silva, que logo no início do romance perde sua amada esposa, Laura, aquela cuja companhia lhe dava o eixo da vida. A família, então, acha por bem assenta-lo em um asilo de nome sugestivo, o Feliz Idade, onde ele passa pelo processo de luto e ressignificação da vida, através do contato com o outro e dos exames de consciência que a perspectiva da velhice lhe provocou.

O escritor se expressa numa língua fluida e poética que vai transcorrendo sem os entraves das letras maiúsculas. A narrativa se inicia com a intensa amargura do sr. Silva diante da morte de sua querida Laura e da revolta de o terem posto ali, resultando na fúria contra a vida em geral. A seguinte passagem expressa bem essa primeira fase:

“como faria falta ferrarmos toda a gente e vingarmo-nos do mundo por manter as primaveras e a subitamente estúpida variedade das espécies e as manifestações do mar e a expectativa do calor e a extensão dos campos e as putas das flores e das arvorezinhas cheias de passarinhos cantantes aos quais devíamos torcer o pescoço para nunca mais interferirem com as nossas feridas profundas”.

É o desenrolar desse processo de negação, ira, tristeza e aceitação que acompanhamos, além das reflexões que a vida gregária, até então desconhecida pelo sr. Silva, acarretou. “precisava desse resto de solidão para aprender sobre esse resto de companhia”, percebe ele, chegando também à constatação de que “acontecem coisas mirabolantes neste mundo, a imaginação da realidade é delirante. é maravilhosamente delirante”, surpreendendo-se porque encontrou na dor os “caminhos quase insondáveis para novas realidades”.

20170826_120344

O livro tem forte ligação com a metafísica de Fernando Pessoa, especialmente no que se refere ao poema “A Tabacaria”, e sob a luz desse poeta português o Valter Hugo Mãe demonstra que aos mais velhos transborda uma metafísica que está fora de alcance a nós jovens demais, à exceção dele próprio, que à época do lançamento do livro contava com apenas 39 anos de idade.

É nessa profunda empatia que o talento literário do autor se reafirma,  além da capacidade de discorrer sobre as relações humanas, memória, vida e morte em uma perpectiva que estão para além dos seus poucos anos. Outro mérito é introduzir o humor em trechos hilariantes, capazes de levar o leitor às gargalhadas, apesar dos temas densos que predominam a narrativa. Tendo dito isto, me parece até redudante dizer que recomendo altamente a obra.

 

 

 

*O título é uma alusão a um poema de Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa, em que ele diz “Há metafísica bastante em não pensar em nada”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s